quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

DEUS ROSA OU AZUL?


Deus nosso PaiDoador do Pão diárioAbençoa nossas mãos e cobre nossas cabeçasDeus, nossa mãeLeva-nos a pazCuida e consola de todos os necessitados 

Santificado seja teu nomeSantificado seja teu nomeSantificado seja teu nome em toda a terra.

ROSA E AZUL

Algumas pessoas foram dar um passeio em uma reserva de floresta, e avistaram dois cervos em uma clareira. Um pastoreando e vagueando não prestou atenção nas visitantes. A outra olhou completamente imóvel, tensa e pronta a cada momento. O jovem cervo era descuidado e vagava sem se preocupar porque sua mãe observava as visitas.

Ele estava seguro, pois estava com a mãe. E esta mãe fazia o que as outras mães fazem: protegia, vigiava, olhava ao redor, ficava de guarda. Ela olhava através do campo, seus olhos escaneavam pela frente e por trás, pronta para proteger seu filho a qualquer momento.

Vivemos em um mundo onde se faz uma distinção profunda entre pais e mães, há coisas que os pais fazem e coisas que as mães fazem, que, em nosso mundo, não são as mesmas. Na verdade, começa antes de nos tornarmos pais. Fazemos isso com todos os homens e mulheres, antes disso, ainda quando crianças.

É como assistir uma antiga filmagem em preto e branco de uma lua repousando mais do que qualquer outra coisa. Então, naquele momento, ou talvez algum tempo depois, se fala sobre gênero, ai você cai em um mundo rosa, rosa, rosa ou azul, azul, azul para sempre.

É assim que as pessoas são. Nós dividimos as pessoas em rosa, flores, bebes e saltos altos, ou em azul, gravatas, máquinas e músculos.

Mas Deus não é rosa nem azul. Deus não se encaixa em nosso jogo da vida, de pequenas mulheres e homens, andando em torno de nossos pequenos umbigos.

Deus nutre, protege e alimenta seus filhos e filhas, assim como aquela mãe cerva, com ferocidade e poder, pronta para fazer qualquer coisa por sua cria. Deus escuta e se aproxima. Deus detém e cura.

Deus nossa Mãe.

Sabemos tudo sobre Deus, nosso pai, e sobre as belas imagens que acompanham tal ideia: o amor forte, fiel e inabalável de um pai. Mas, conhecer somente Deus Pai seria como conhecer o dia e nunca a noite, ver o nascer do sol e nunca a assombrosa e suave ascensão da lua vermelha e bonita no céu. Conhecer apenas Deus Pai seria como ver o sol brilhante e deslumbrante sem nunca ver as estrelas se espalhando pelo céu com sua poeira de fadas.

Deus nossa Mãe, estende para nós suas mãos, mãos de mãe, forte, escorrendo amor, amarrando feridas e arranhões suavemente, nos segurando e nos mantendo seguros.

Deus, nossa Mãe, alimenta-nos, dá-nos o que precisamos para crescer e prosperar, cuida de nós com grandes e pequenos gestos, vê-nos, tricota-nos de novo, com amor e graça após sermos quebrados.

Deus, nossa Mãe, crê em nós. Isto é o que uma mãe faz: ela olha nos seus olhos e diz: eu acredito em você. Eu conheço você. Eu sei que você foi feito para grandes coisas. Ela diz: Você não é pequena nem assustada. Você não é muito frágil ou muito falha. Você é minha. E isso é tudo o que você precisa saber.

Deus nossa mãe sussurra em cada um de nós: Você é minha. E isso é tudo o que precisamos saber.

Deus, nossa Mãe.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

PESSOAS LGBT ODEIAM CRISTÃOS?


Não sou muito de responder a postagens, principalmente vindas de pessoas com má intenções, mas recentemente li o comentário de uma advogada "cristã", LGBTfóbica declarada, muito conhecida na cidade de Teresina por seus impropérios contra a comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais e, resolvi responder.

Recorrentemente usando a palavra "gayzistas", ela fala a seus seguidores sobre o ódio que as pessoas LGBT sentem dos cristãos, ao ponto de persegui-los, citando uma suposta matéria de um pastor que sofreu ataque de um homem gay. Ela, e muitos outros seguem o mesmo falso ensino sobre nossa comunidade que é pregado nos estudos de escolas dominicais há várias décadas, o ensino do ódio genuíno. Sim, isso independentemente da pessoa.

Parece que macular nossas comunidades traz em si um tipo grosseiro de status entre os fundamentalistas cristãos. Ás vezes tenho muita compaixão, mas às vezes fico irritado e frustrado. Sabe, independentemente das razões, chega um momento, após a apresentação da verdade dos fatos do horrível tratamento que nossos irmãos e irmãs LGBT sofrem, que somos todos responsáveis pelo que cremos e pelas suas consequências. De nossas palavras, nosso silêncio, ações e inações.

Queria dizer que a pergunta apresentada no título é muito boa, e posso dizer o por quê.

É porque muitos cristãos dizem "odiar o pecado e amar o pecador", citando uma frase de Gandhi, em um trecho onde ele falava que era impossível se fazer isso, pois inevitavelmente, na verdade, você estava odiando o pecador.

É porque muitos na igreja não param de dizer essas palavras o tempo suficiente para conhecer as pessoas LGBT, para ouvi-las e não condená-las; É porque continuam a usar frases como "escolha de estilo de vida" para descrever algo que não é experimentado como uma escolha, e, que é tão variada no estilo de vida como heterossexuais são. Meu estilo de vida é diferente de inúmeros outros homens gays, assim como é verdade para as lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. Ou mesmo entre homens e mulheres héteros.

É porque as pessoas LGBT são informadas de púlpito que não são bem-vindas; são removidas das lideranças das igrejas, são evitadas em seus templos. Alguns líderes pedem que seus pais expulsem seus filhos, caso não queiram "mudar". (Uso aspas porque ser uma pessoas LGBT não é algo que se pare, como beber. É algo como parar de ser uma pessoa canhota, o que torna a experiência de mudança impossível e sem amor).

É porque as crianças estão sendo mortas por seus pais "cristãos", presumidamente em resposta ao ensinamento dos pastores e pastoras que lhes instruem a fazer isso. Isso inclui crianças que nunca sequer tocaram a mão de alguém, muito menos outras coisas.

Pessoalmente não acho que seja um bom negócio para comunidade LGBT frequentar igrejas que creem numa teologia bíblica que "de uma forma ou de outra a odeie". Rejeição, condenação, julgamento, vergonha, expulsão e comumente mal-entendidos, são formas muito práticas de demonstrar ódio.

Acredito que muitos dos que continuam a massacrar pessoas LGBT, o fazem por ignorância, realmente creio, mas já é tempo de para parar e aprender. Se as pessoas se recusam a apreender, então, realmente não merecem que percamos nosso tempo tentando um diálogo sério.

Espero que todas as pessoas que leiam esse post se envolvam o suficiente para apreender quais são as verdadeiras indagações e sobre quem elas realmente são.

Fonte: http://www.patheos.com/blogs

sábado, 14 de janeiro de 2017

DOCE VINGANÇA


Assistimos estarrecidos a chacina no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, foi uma das maiores matanças em presídios brasileiros desde o massacre do Carindiru, em 1992. Foram 56 presos mortos. Além da morte, presenciamos o aval de muitas pessoas de nossa sociedade que dizia: "Preso bom é preso morto". Me pergunto: Até onde vai a justiça? Onde começa a vingança?

"A antiga lei do olho por olho acaba por deixar todo mundo cego"
Martin Luther King Jr


A Doce Vingança (Mateus 5:38-42; Romanos 12:17-21)

Por volta de 120 d.C. um satirista romano chamado Juvenal escreveu:
"Na verdade, é sempre uma mente insignificante, fraca, minúscula que tem prazer na vingança. Você pode concluir apenas com esta prova e sem nenhuma a mais, que ninguém se alegra mais na vingança do que uma mulher"
Mulheres, como vocês se sentem sobre isso? Dar vontade de matar o homem que disse isso? Tenho boas notícias para você. Ele já está morto há quase 2000 anos.

Mas a verdade é que não são apenas as mulheres que estão interessadas em vingança. Todos nós estamos. É algo que achamos doce e gratificante, saber que outra pessoa recebeu o que estávamos desejando para ela. Nós amamos isso.

Jesus tem algo a nos dizer sobre vingança, que, ao contrário de seu contemporâneo, ensinou para homens e mulheres em Mateus 5-7, no chamado "Sermão da Montanha".

Primeiro Jesus falou sobre o caráter das pessoas que estão no reino. Então falou sobre o código do reino: A maneira que Jesus quer que seus seguidores sejam. Ele nos diz que nossa justiça deve ser genuína, não apenas com ações externas, mas com atitudes internas. Ele quer que nossas ações externas e atitudes internas correspondam ao seu caráter.


1a - Por exemplo, todos concordam que assassinato é errado, é óbvio. Mas o assassinato é meramente a evidência externa de uma atitude interna.
1b - Jesus diz também que é errado guardar ira não resolvida em seu coração, conduzindo ou não ao assassinato.
2a - Da mesma forma, Deus permite o divórcio, quando um casamento falha, mas é errado abandonar seu cônjuge, deixando-o incapaz de se casar novamente.
2b - Jesus diz que é errado se divorciar por capricho, apenas por estar cansado de estar casado com ele ou ela.
3a - Por fim, vemos que é errado voltar atrás em sua palavra.
3b - Mas Jesus diz que é importante ser uma pessoa verdadeira, por dentro e por fora.
Ao retornarmos a passagem em Mateus 5:38, descobrimos que os próximos versículos são sobre justiça e vingança. Deus nos deu alguns caminhos legítimos para a justiça aqui na terra, mas Jesus nos adverte que a vingança pessoal é algo completamente diferente. A vingança pode ter gosto doce, mas não é correta.

Como John Milton escreveu em Paradise Lost:


A vingança, embora tenha um início doce, recua em si própria para o amargo

Essa passagem é muito confusa, e muitas vezes foi mal interpretada de várias formas diferentes. É levada a todos os tipos de pensamento descuidados sobre que tipo de pessoa Jesus era e sobre o que ele ensinou. É também a fonte de quatro ditos muito conhecidos que quase todas as pessoas já ouviram falar antes, mas nem todas entendem:
Olho por olho.
Vire a outra face.
Caminhe a segunda milha.
Dê-lhe também o manto.
Então, abramos nossa Bíblia e olhemos o que Jesus nos ensina em Mateus 5:38
[5:38] "Ouviste o que foi dito: Olho por olho, e dente por dente".
Anti - em vez de (mesma palavra usada para dizer que Jesus morreu, em vez de nós) ¹.
Um substituto.

Isto destinava-se a restringir a vingança, garantir que a punição não excedesse o crime. Havia espaço para a graça e punições alternativas. Isso impedia as pessoas de irem muito longe em suas punições.
Quando alguém as machucava ...
Nossa tendência natural é o retorno.
Queremos que as pessoas se machuquem como nos machucamos. Falamos sobre receber o mesmo, estabelecer a dívida. A ideia é que, por terem nos machucado, devem receber alguma dor em troca. E está é uma dívida que ficamos muito feliz em resolver. Na verdade, geralmente não é suficiente "receber o mesmo". Queremos adicionar um pouco mais. É como um jogo de cartas: Eu vejo a trapaça, levanto e arranco-lhe o olho!

Esta política, encontrada no V.T., foi concebida para impedir vendetas pessoais que tendiam a infligir uma punição mais severa do que o criminoso merecia. Se alguém cega alguém, não deve ser morto por isso. Deve ser responsabilizado apenas por um olho. Muitas vezes essas dívidas eram pagas em dinheiro, qualquer valor que um olho ou dente valesse. A Bíblia apoia justiça medida.

Mas mesmo se permanecermos dentro dos limites de infligir dor recíproca, ainda estamos perdendo o foco. Porque a nossa conformidade externa com as exigências da justiça é muitas vezes para mascarar um problema interno: o de querer vingança. E vingança é pecado. Então Jesus diz:


[5:38] "Ouviste o que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. [39] Mas eu vos digo: que não resistais ao mal".
Quando estamos feridos, queremos retorno.
Mas Jesus diz: "Não lute".
A palavra "resistir" significa "opor-se, se colocar contra".
Suporte mais. Anti. "Ser hostil em relação à".
A ideia não é tanto sobre a não-resistência, é sobre não enfrentar fora.
Isso não é pacifismo (uma recusa de enfrentar o mal com violência ou guerra).
Parece haver bastante espaço na Bíblia para a autodefesa.
Mas isso também não é agressivo.
Este versículo é um aviso específico para não levar a retribuição para o pessoal.
Não escalar a situação, mas "ficar a par".
Em vez disso, desacelerar. Abaixar as estacas.
Pacificar. Suportar. Perdoar.
Esta não é uma resposta natural:
- Nikita Khrushchev, estadista soviético, escreveu em 1971
"Não tínhamos utilidade para a política dos Evangelhos: se alguém bater em você, basta virar a outra face. Tínhamos mostrado que qualquer um que nos esbofeteasse em nossa face, teria sua cabeça lançada fora".
Jesus nos chama a responder de forma contra intuitiva. Em vez de enfrentar o mal de igual forma ou com uma força maior, ele nos encoraja a encarar o mal com uma força completamente diferente: com o bem. Em vez de pagar de volta com o próprio mal, somos chamados a pagar com bondade.

Há uma passagem paralela em Romanos 12 que explica como funciona.

Romanos 12:17-21. Não pagueis mal por mal. Tenha cuidado para fazer o que é certo aos olhos de todos.


Não faça o mal apenas porque alguém fez mal a você.
Eles fizeram a coisa errada. Você fará a coisa certa.
Isso não soa como algo que dizemos a nossos filhos?
O mais novo machuca o mais velho. O mais velho devolve o machucado. Então o mais novo queixa-se para mãe e o pai. "Mãe, João me bateu". A mãe diz: "João, você bateu em seu irmãozinho?". "Sim". "Por que você fez uma coisa dessas?". "Porque ele me bateu primeiro". "Olha, você cuida de você que eu cuido de seu irmãozinho. Acredite em mim, suas mãos cuidam de você. Concentre-se apenas em ter a certeza que está fazendo a coisa certa e não se preocupe com o que seu irmão está fazendo. Eu cuido dele".
Isso é exatamente o que Deus está tentando nos dizer. Não se envolva no negócio de tentar fazer o mesmo, certificando-se que todo mundo receba o que merece. Esse é o trabalho de Deus, e ele é muito bom nisso.
[18] Se possível, no que depender de vós, viva em paz com todos.
Pode não ser possível, mas devemos fazer o que podermos.

Mas se fizermos isso? Se ninguém se levantar contra o agressor? Se não dermos o que ele merece? Ele vai continuar fazendo isso! Se ele se livrar uma vez, fará o mesmo com uma outra pessoa. Onde há justiça nisso?

Deus tem uma resposta para você:
[19] Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas deixem espaço para ira de Deus, pois está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor.
Deus cuidará da justiça. Pode não ser quando queremos. Pode não ser como queremos. Mas Ele certifica-se que a justiça seja feita.

Esta política não é uma falta de justiça. É um chamado para não se tomar a vingança pessoal, afim de obter justiça. Deixe a justiça e a vingança com Deus.

Parte da justiça não veremos até chegar ao céu. Mas algo vai acontecer aqui na terra. Na verdade, Deus tem um agente especial que usa para esse propósito. Não, não sou eu... ou você. É o Brasil. Ou seja, o governo brasileiro... entre outros governos. A Bíblia diz que Deus usa os governos para trazerem uma medida de justiça ao mundo. Não é uma justiça perfeita, nem suficiente. Mas enquanto esperamos a justiça do Reino, os governos do mundo servem para pelo menos reter o mal e trazer um mínimo de justiça ao mundo. Eles são agentes da justiça de Deus! Instrumentos dEle.
Romanos 13:4 diz: [Governo] é o servo de Deus para te fazer o bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; ele é um servo de Deus, e vingador para castigar o malfeitor.
A espada = A execução do poder da guerra.

Uma legítima função do governo na Bíblia é punir aqueles que fazem o mal. E quando o fazem, funcionam como agentes de Deus para punir o mal. Isso é parte de como Deus administra a justiça. Não é perfeita. Mas um dia, Deus concertará tudo, e haverá justiça perfeita. Então, devemos nos manter fora e deixar que Deus faça seu serviço. Temos um trabalho diferente a fazer. Paulo continua em Romanos 12:
Não se vingue... [20] Pelo contrário: "Se teu inimigo estiver fome, alimente-o, se tiver sede, dê-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas sobre sua cabeça.
[21] Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem.
Devemos responder o mal com o bem. A armadilha deve superar o mal. Estamos tão feridos, tão feridos que também escolhemos um caminho mal, tentando resolver o problema. Mas Deus diz para retribuir o mal com o bem. O que acontece é ainda mais devastador para pessoa que o machucou.

Todo mundo entende olho por olho. É assim que o mundo funciona. Mas encontram problemas em pagar o mal com o bem. Isso faz com que sua consciência queime. Isso os leva a repensar sua abordagem, pois não estão produzindo o que esperavam. Essa é a maneira de superar o mal. Não lutando contra ele. Não castigando. Não matando. Mas sufocando-o com bondade e generosidade até que ele não possa mais respirar.

Voltemos a passagem de Mateus 5. Começando no verso 39. Jesus nos dá quatro exemplos de princípios de como devemos responder ao mal com bondade e generosidade.
Agressão Física. 
Processos injustos. 
Serviços Obrigatórios. 
Generosidade Explorada.
Aqui está o primeiro no verso 39:
[5:39] Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra.
No dia em que Jesus foi atingido com uma bofetada no rosto com o dorso da mão, isso foi um insulto terrível (e ainda é no Oriente Médio).

Este verso não significa que não devamos nos defender. Não significa pedir outro tapa.

Tanto Jesus quanto Paulo foram literalmente atingidos e, ambos apelaram para seus direitos. Mas não bateram de volta.

E essa é a força deste versículo. Se você for atingido, se você for insultado, não revide. Não retalie. Deixe ir. Perdoe.

Seria melhor receber um segundo golpe na outra face do que inclinar-se ao mesmo nível da pessoa que o atacou. Isso é o que significa dar a outra face. Não tente revidar.

Em outras palavras.

Seja gentil e generoso mesmo quando...

Alguém o ataca verbal ou fisicamente.

A boa notícia é que você não precisa esperar pela violência para colocar esse princípio em prática. Você já conheceu alguém na escola, no trabalho ou mesmo na igreja que não foi com sua cara? Não tendo sido por causa de alguma coisa que você fez, ou mesmo tendo sido, mas simplesmente não foi gentil ou amigável com você? Como foi sua resposta? Eu digo o que todos nós gostaríamos de fazer. Nós diríamos: "Tudo bem. Não vou jogar esse jogo. Mas também não serei amigável com você".

Virar a outra face, no entanto, significa responder a esse desprezo com bondade e generosidade, ser amigável com as pessoas que são hostis para você. Não é um desejo masoquista de ser repreendido novamente, é mostrar seu rosto como se não tivesse havido ofensa, pois você já perdoou e está deixando a questão com a justiça de Deus.

O seguinte exemplo está no verso 40:
[5:40] E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, entrega-lhe também o manto.
A túnica era uma camisa, a roupa mais perto do corpo. A cima dela se usava o manto, que servia quase como um cobertor. Em nossos dias, você pode processar alguém que esteja sem calças. Mas no tempo de Jesus eles não usavam calças. Assim, a lei judaica permitia processar uma pessoa sem túnica.

O manto estava realmente protegido por lei. Não podia ser tirado.

A ação neste versículo pode ser um caso legal, mas também parece conter uma pitada de injustiça. Mais uma vez, a ideia não é que o cristão seja um covarde, que se você for injustamente usurpado, não se defenda automaticamente, e dê ao queixoso tudo o que ele pedir e mais um pouco. Outra vez a ideia é que não façamos o mesmo. Não se vingue para recuperar e pegar suas coisas de volta. Em vez disso, seja generoso com o que você possui. Segure suas posses sem muito apego. Tão sem apego que esteja disposto a desistir delas se essa for a única maneira de lutar pelas pessoas. Inclinar-se ao mesmo nível do usurpador, é enganar a si próprio.

Em outras palavras, seja gentil e generoso mesmo quando...

Alguém injustamente engana você.

Se você estiver errado, faça um acordo generoso. E se não estiver errado, coloque-se em defesa, mas não se vingue. Não segure tão firmemente o que você possui, que o impede de ter paz. Em 1 Coríntios 6:7, Paulo diz: "O fato de vocês terem ações judiciais entre si, significa que foram completamente derrotados. Por que não ser injustiçado? Por que não ser enganado?"

O terceiro exemplo está no verso 41:
[5:41] E, se alguém te obrigar a caminhar uma milha, vá com ele duas.
No Império Romano, um soldado ou funcionário do governo poderia forçar alguém a carregar sua bagagem por ele. No entanto, a lei romana dizia que a pessoa só poderia ser forçada a fazer esse serviço por uma milha e, em seguida, estaria livre.

Tenho certeza que ninguém gostava de fazer isso quando solicitado, eles provavelmente se ressentiam quando eram forçados a fazer alguma coisa. Posso ver um escravo dizendo: Eu posso até ser obrigado a carregar suas coisas, mas nunca saberá o que poderá acontecer com elas. Podem ficar muito sujas, se acidentalmente caírem na lama. Nunca se sabe!"

Mas Jesus diz, não se ressinta deles. Em vez disso, seja generoso. Reembolse o mal com o bem. Ofereça-se para ir mais uma milha. Dê-lhe mais do que ele tem direito de exigir.

Em outras palavras, seja gentil e generoso mesmo quando...

Alguém o forçar a fazer algo contra a sua vontade.

Aqui está um exemplo bem prático. Quantos de vocês gostam de pagar impostos? Você não se ressente disso? Você não desejaria encontrar alguma maneira de fazer com que o governo não recebesse um centavo? Pergunto-me se Jesus sugeriria que, além de pagar os impostos com alegria, déssemos uns reais a mais. O governo apoia todo tipo de programas sociais, saúde, educação, segurança e assim por diante. Poderíamos nos ressentir de pagar por isso e dizer: "Posso fazer melhor que isso. Posso ser voluntário para construir casas para alguém, ensinar alguém a ler. Posso apoiar uma organização que forneça suprimentos para bebês e mães solteiras".

Se está fazendo algo só porque tem que fazer, tenha cuidado para que não encontre pequenas maneiras sutis de ventilar o seu ressentimento por vingança. Jesus diz: Faça-o com prazer e, em seguida, em cima disso, seja generoso.

O exemplo final está no versículo 42:
[5:42] Dai o que vos pede, e não vos afaste daquele que quer tomar emprestado de vós.
Este é outro daqueles versículos que causam confusão na alma. No seu valor literal, parece dizer que devemos dar a todos que nos pedem. Na verdade, o tornarei ainda mais desagradável. Acho que por causa do contexto, ele provavelmente está falando sobre pessoas que se aproveitam de sua generosidade. O que merecem é nada. Mas Jesus nos diz para continuarmos a ser generosos. Não tente puni-los, cortando sua ajuda. Seja amigável. Seja generoso. Mesmo eles maltratando, manipulando e mentindo para você.

Em outras palavras, seja gentil e generoso mesmo quando...

Alguém tira proveito de sua generosidade.

Quase toda semana temos alguém que nunca esteve na igreja, vindo da rua à procura de dinheiro. Muitos deles são mentirosos. Muitos chegam contando que está com mulher, filho, marido, mãe entre outros no hospital e que precisam imediatamente de dinheiro para ajudar na cirurgia.

Quando ouço uma história como esta, meu coração chega a doer. Imagino como seria estar nessas situações e penso em tudo o que Deus me deu. E quero fazer algo para ajudá-las.

Um dia um homem veio pela segunda vez a igreja e contou a mesma história de um ano atrás. Eu disse: "Mas no ano passado você contou a mesma história". O cara ficou com raiva, começou a gritar que era triste ver uma igreja não querer ajudar alguém com necessidade. Depois afastou-se. É incrível como algumas pessoas pedem dinheiro sabendo deste versículo de Mateus. "Dê a quem pede". E, estão prontos para criticá-los assim que fica óbvio que não vão conseguir o que pediram.

Há um monte de coisas que me incomodam, mas o que realmente me deixa chateado é quando as pessoas se aproveitam da graça. E quando alguém faz isso, quando alguém responde a nossa generosidade com insultos e ameaças, quando não mostram absolutamente nenhuma gratidão por nossa bondade, tempo e dinheiro da igreja. Isso realmente irrita. Sabe o que eu gostaria de fazer? Gostaria de insultá-los de volta. Gostaria de nunca mais ter que desperdiçar nenhum minuto do meu tempo com eles. Gostaria de ter a certeza que eles não verão mais um centavo nosso.

Mas Jesus diz: "Não vos afastes". Não tentem se vingar. Não tente se certificar que obtenham o que merecem. Seja gentil e generoso.

A propósito, este versículo não diz: "Dê as pessoas o que elas pedirem de você". Ele diz: "Dê ao que pede". Há muitos pedidos que não podemos cumprir. Há muitos pedidos que não devemos cumprir. Devemos fazer perguntas e usar o discernimento para lidar com pedidos de dinheiro. Mas não há razão para que no processo não sejamos gentis e generosos, mesmo quando alguém se aproveita de nossa generosidade. Você sabe? Isso faz parte do Código do Reino.

Conclusão.

Jesus diz: Eu sei que a justiça é importante para você. Eu sei que dói quando você é injustiçado. Mas tenha cuidado. Há um perigo aqui. Nunca deixe sua sede de justiça se transformar em uma busca de vingança. Você foi atacado, enganado, forçado e aproveitado. Mas responda ao mal com bondade e generosidade. E deixe todo o resto com Deus.


¹ Ajnqivsthmi. 1. Ser hostil em relação a; 2. resistir, opor-se, rebelar-se, colocar-se contra se mesmo.

Ajnqivsthmi. para colocar contra, para colocar em oposição. 2. para combinar com, comparar II. - para se opor, especialmente em batalha, para resistir, opor. 2. absoluto para fazer uma oposição.

Ajnqivsthmi. conjunto contra, em batalha, criado em oposição, pesar contra, superam. 2. corresponder com, comparar II. Passivo com intransitivo. - ficar de encontro, especialmente em batalha, resistir. 2. das coisas, transformar-se desfavoravelmente a um. 3. absoluto, fazer uma oposição, resistir, lutar.

Fonte: bible.org.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

O QUE A BÍBLIA FALA SOBRE A IDENTIDADE TRANS MASCULINA?


O que a Bíblia fala sobre a identidade dos Trans masculinos?


Na superfície, a Bíblia parece não dizer muito sobre a identidade trans masculina. Faz algum sentido, pois não existiam muitas estratégias pré-modernas que auxiliassem as transições masculinizantes além da transição social. Hipócrates descreve as amazonas cortando ou queimando os seios, mas a arte não as retrata desta maneira, nem há nenhuma descrição médica sobre mastectomia antes do VI século DC. Além disso, as escrituras dos tempos bíblicos eram bastante patriarcais, e, provavelmente teriam visto as pessoas trans masculinas como uma ameaça. No entanto, os Mishnas dividem as pessoas em seis identidades de gênero distintas: machos, fêmeas, saris, ay'lonit, timtum e andrógenos. Ay'lonit foram pessoas identificadas como fêmeas de nascimento, mas que desenvolveram características masculinas na puberdade, e não eram férteis. Nenhum ay'lonit é mencionado na Bíblia como tal, mas pode ter sido uma categoria de reflexão rabínica no tempo de Jesus.

Outros Argumentos

Em Mateus 5:22, Jesus diz: "Mas vos digo que qualquer um que se irar contra um irmão ou uma irmã estará sujeito a julgamento. Outra vez digo, qualquer um que diz a um irmão ou uma irmã: 'Racá', será levado ao tribunal. E quem disser: 'Você é tolo!' (Moros) estará em perigo do fogo do inferno". (O próprio Jesus, por sinal, usa a palavra moros como insulto aos fariseus em Mt. 23:17). A questão aqui é o que exatamente significa 'racá'. Parece ser uma gíria aramaica, na qual não temos nenhum registro. Uma teoria é que estivesse relacionada com vazio ou idiotice (relacionada a reka aramaico). Outra teoria é que com base em cognados semíticos, era um insulto a homens efeminados, como os termos em português bicha, marica ou viado. Se assim for, uma outra coisa que Jesus diz sobre as pessoas trans, é não usar acusações de efeminação como um insulto.

Além disso, Jesus expressa sua aprovação de alteração do próprio corpo em Marcos 9:43-47: "Se tua mão te faz pecar, corte-a. É melhor você entrar na vida mutilado do que, tendo as duas mãos, e ir para o inferno, onde o fogo nunca acaba. E, se teu pé te faz tropeçar, corte-o. É melhor você entrar na vida aleijado do que, tendo dois pés, ser lançado no inferno. E, se teu olho te faz pecar, arranca-o. É melhor para você entrar no reino de Deus com um só olho do que, tendo dois olhos, ser lançado no inferno". Muitas vezes esta passagem é tomada de forma não-literal, mas no minimo sustenta a ideia de que uma séria alteração cirúrgica do corpo parece estar cogitada na mente de Jesus. Há defesas das pessoas trans em gálatas 3:28 também.

Fonte: www.philpercs.com.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

TEOLOGIA TRANS PARTE 3 (OUTROS PERSONAGENS TRANS)


OUTRAS (OS) PERSONAGENS TRANS
 
A Transportadora de Jarro do Novo Testamento é certamente o principal modelo bíblico de uma pessoa trans, mas existem outras personagens que também podemos interpretar como pessoas que estão além do binarismo conhecido de gênero.

Um outro exemplo óbvio é o de José, filho de Jacó, de Gênesis 37-45. A Bíblia diz que Jacó amava José acima de qualquer outro de seus filhos e que, quando completou 17 anos, ele lhe fez "uma veste longa com luvas" ou um "casaco de muitas cores", que José parecia usar habitualmente. A expressão hebraica é passim kethoneth, e o outro lugar no Antigo Testamento em que a ela aparece é 2 Samuel 13:18, para descrever a roupa da princesa Tamar, especificando que "assim se vestiam as filhas virgens dos reis". José usava literalmente uma roupa de princesa aos 17 anos, e seu pai o amava do mesmo jeito. Este é o jeito da Bíblia nos ensinar a lidar com crianças que gostam de se vestir de uma maneira não codificada de gênero, mesmo sabendo que isso poderia acarretar desconforto. Amá-las de qualquer maneira. Mas seus irmãos não entendiam assim, e, fingem sua morte e o vendem como escravo. Ele é comprado por uma pessoa descrita como saris, chamado Potifar, treinado para ser um um saris oficial do palácio. José também ficou famoso por rejeitar os avanços sexuais de sua mulher. Na verdade, sua história prossegue e o jovem torna-se um excelente oficial do palácio, executando tudo no Egito para Faraó. O texto não o chama de saris, mas certamente o descreve como um, embora tenha casado e tido filhos. Ele se torna um patriarca masculino bastante convencional, mas nitidamente brincou com o gênero desde o início de sua história e, provavelmente, enquanto trabalhava para Faraó.

Consideremos o caso de Daniel. Ele e seus três companheiros são capturados pelos babilônicos, e, depois treinados por três anos para servirem como funcionários do palácio, por Aspenaz, eunuco chefe do rei. Alguns estudiosos defendem uma relação erótica entre Daniel e Aspenaz, e entre Daniel e o Rei Darius. Várias traduções obscurecem isso, mas Daniel 1:9, faz referência tanto sobre a benevolência (khased), quanto a um sensível amor (rakhamin), no hebraico. Daniel 14:2 (encontrado em Bíblias católicas e em Bíblias judaicas mais antigas, mas deixado de lado nas protestantes), especifica que "Daniel era o companheiro do rei e o mais íntimo de seus amigos". (No aramaico a palavra é Rahme e no grego simbiontes). Não se sabe ao certo se Daniel dormiu ou não com o chefe dos eunucos e mais tarde com o Rei, mas, é certo que ele e seus companheiros foram treinados como sarissim, e como magos encantadores, que, depois de testados e julgados, tornaram-se aqueles que "se apresentam diante do rei". Mas na cultura Mesopotâmia, o conjunto da frase designava aqueles que "não tinham órgão masculino, nem feminino", onde Enki (um dos deuses criadores) foi designado para ser mago que trabalhava para o Rei. Daniel é empurrado para o papel e expectativas culturais de um eunuco babilônico, e, nitidamente rejeita alguns de seus aspectos (comida, religião, etc.), mas aceita outros. Ao contrário de José, que parece estar fora do papel de saris da época, Daniel nunca se casa e nem tem filhos, e na verdade pode muito bem ter servido ao Rei. Da mesma forma Neemias é descrito como "copeiro" do rei Artaxexes I, e parece agir como um saris. Ele aparece diante da rainha sem nenhum problema em Neemias 2:6, e a tradução da septuaginta o descreve explicitamente como eunouchos (em vez de copeiro), apesar de nossas cópias do texto hebraico não o especificar como saris.

A Bíblia não chama especificamente José, Daniel ou Neemias de saris, mas existem várias outras personagens simpáticas que ela chama de eunouchos: Potifar, que compra e treina José (Genesis 1:39), Aspenaz, sábio mestre de Daniel (Daniel 1:1-21), Ebede-Meleque, que resgata Jeremias (Jeremias 38:7-10), e um funcionário etíope sem nome que interage com Filipe (Atos 8:26-39), etc.

Você pode até colocar Adão, Jesus, Eva ou mesmo Deus como pessoas Trans. Andrógino é uma palavra emprestada do grego para o hebraico, e é usada principalmente para argumentos rabínicos sobre Deus sendo de ambos os sexos, feminino e masculino e colocando Adão da mesma forma, antes da fusão de Eva, se tornando masculino depois. Isso faria de Adão uma pessoa Trans. É difícil dizer até que ponto Eva esteve presente como Adão antes de ser formada por Deus em um ser distinto, mas pelo menos me parece possível que Eva também fosse masculino e feminino presente como uma parte de Adão antes de ser formada em um ser distintamente feminino por Deus. Isso provavelmente faria com que ela não fosse apenas uma mulher, mas também uma mulher trans. Pelo menos se imaginarmos essa pequena porção, isso será mais que apenas metáforas e alegorias. Como isso funciona no caso de Deus e Jesus não é nítido, mas fica sensível nos detalhes do relato da trindade e da encarnação. Existe alguma força que nos leva a pensar em Deus como ambos os sexos, masculino e feminino antes de Jesus na encarnação. Quando todos os homens e mulheres são criados à imagem de Deus. Se a segunda pessoa de Deus participou tanto da criação da humanidade e da encarnação como Jesus, então com certeza parece que ele teve que passar por uma transição de gênero de ambos os sexos masculino e feminino, tornando-se apenas o sexo masculino, em algum momento, logo após a criação dos seres humanos, ou durante o processo de encarnação. A não ser, talvez, que Ele fosse um eunuco, o que alguns dos primeiros cristãos acreditavam. No processo de tornar-se humano, Ele provavelmente também se tornou homem. Ele também, parece um homem trans nesta interpretação, e na verdade é muitas vezes comparado a Adão. E para a grande maioria dos cristãos, Ele ainda faz parte da Trindade, e assim, Deus como um todo tem agora uma persona estritamente masculina, assim como o Pai e o Espírito Santo, que são mais polivalentes.

Fonte: Escritos do Rev. Cindi Knox (homem trans).

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

DAVI AMAVA JONATAS MAIS DO QUE AS MULHERES

No funeral de Jonatas, Davi declara que o ama mais do que a qualquer mulher. Esta é apenas uma das várias passagens bíblicas que descrevem e celebram um intenso amor entre dois homens que vai além da amizade.

Discussão

O autor de 1 e 2 Samuel é pensado como um membro da corte do Rei Davi. Ele parece saber os detalhes íntimos da vida de Davi, e não faz rodeios ao contar a história de seu reinado e, de seu antecessor, o Rei Saul. Como parte dessa história, o autor fala sobre o filho de Saul, Jonatas e sua relação com Davi.
Você já pode ter ouvido a história de Jonatas e Davi, mas se for como a maioria das pessoas, provavelmente nunca a olhou de perto. Se seu pastor pregou sobre ela, o sermão, possivelmente, falou sobre a "amizade" dos dois. Alguns cristãos apontam para os dois como um exemplo de ligação masculina idealizada, um tipo de "amor fraterno" não "manchado" pelos envolvimentos românticos de relação homem-mulher. O texto bíblico, no entanto, é completamente inconsistente com essa interpretação forçada. Vamos apresentar evidências bíblicas e deixá-lo ser júri. Você decide. Jonatas e Davi foram bons amigos (experimentaram um amor fraternal), ou havia um nível (romântico) mais profundo em seu relacionamento?

 O autor de 1 Samuel fala de um homem chamado Saul, que se torna rei de Israel, pai de um filho chamado Jonatas. Davi, era um pastor de uma tribo menor de Israel, que chama a atenção de Saul e Jonatas quando se oferece para lutar contra um gigante que perturbava sua nação. O texto diz que Davi não tinha medo, pois acreditava que Deus estava ao lado dos israelitas. Em uma demonstração de coragem, ele luta contra o gigante com apenas um estilingue e um punhado de seixos. Milagrosamente, é vitorioso. Saul fica intrigado com este jovem corajoso e o chama para vir falar com ele, que nos leva ao Anexo A. O texto diz:

"Quando Davi acabou de falar com Saul, a alma de Jonatas se ligou a de Davi, e Jonatas o amou como sua própria alma. E Saul naquele dia o tomou, não lhe permitindo voltar para casa de seu pai. E Jonatas fez uma aliança com Davi, porque o amava como sua própria alma. E Jonatas se despojou da capa que usava, e deu-a a Davi, como também suas vestes, e até mesmo sua espada, seu arco e seu cinto". (1 Samuel 18:1-4)

Agora, imagine se esta história fosse sobre Jonatas e uma mulher. Suponha que o autor houvesse escrito que "a alma de Jonatas se ligou a de Mirian, e Jonatas a amou como sua própria alma". E suponha que após a reunião, Jonatas entregasse imediatamente tudo o que lhe era mais precioso a Mirian. (A armadura e suas armas de príncipe, que eram símbolos de seu poder e status). Se 1 Samuel 18:1-4 fosse sobre o primeiro encontro de Jonatas com uma mulher, teólogos em toda parte escreveriam sobre isso como uma das maiores histórias de amor de todos os tempos. A história de Jonatas e seu amor seria fonte de dezenas de filmes de Hollywood. Mas porque o objeto de sua afeição era um homem, nosso preconceito cultural nos chuta, e insistimos (não obstante a evidência bíblica), que isto não poderia ter sido mais que uma história de amizade profunda.

Esta leitura "culturalmente correta" não resistirá ao escrutínio. Ela nos pede para colocar uma interpretação sobre a história que entra completamente em desacordo com nossa própria experiência de comportamento humano. Quando foi a última vez que você viu um homem heterossexual, varrido por amor fraternal, oferecer a outro homem suas posses mais preciosas em seu primeiro encontro? Suponha que o pastor da igreja (supondo que ele é um homem), mediante ao cumprimento de um outro homem, pela primeira vez, se despoje de seu terno e entregue-o. Suponha que nesse mesmo encontro, ele também ofereça seus bens mais preciosos, talvez uma bíblia da família, um relógio de pulso com uma inscrição de seus pais, e sua amada caminhonete. Não lhe pareceria um pouco "estranho"? Vamos enfrentá-lo, o autor de 1 Samuel está descrevendo um clássico encontro de amor à primeira vista envolvendo dois homens.

Mas ainda há mais nesta história. O texto continua dizendo que Davi torna-se um poderoso guerreiro, e que sua popularidade com o povo de Israel ameaça o trono de Saul, tanto que ele planejou matá-lo. Mas Jonatas avisa a Davi, e ele foge do palácio antes que Saul pudesse agir. Eventualmente, Jonatas convence seu pai a permitir que Davi volte, mas logo Saul planeja matá-lo novamente. Desta vez, ele não diz a Jonatas (Ele tinha aprendido a lição), mas Davi escapa de qualquer maneira.

Então Jonatas e Davi se reúnem em segredo. Jonatas pedi que Davi volte para o palácio, mas Davi estava com medo por sua vida. Então, eles fazem um plano: Jonatas iria para casa e tentaria descobrir o que seu pai pensava. Se seu pai tivesse arrefecido, Davi estaria seguro. Uma noite, à mesa real, Jonatas traz o nome de Davi a tona. A reação de Saul está no Anexo B. Saul disse a Jonatas:

"Então se acendeu a ira de Saul contra Jonatas, e disse-lhe: Você filho de uma mulher perversa e rebelde! Eu não sei que você escolheu [Davi] o filho de Jessé, para vergonha tua e para vergonha da nudez de tua mãe? Porque todos os dias que o filho de Jessé viver sobre a terra, nem você nem seu reino serão firmados". (1 Samuel 20:30-31).

Muitos homossexuais têm experimentado conversas em jantares muito semelhantes a esta. Eles cometem o erro de falar sobre seus amantes na mesa, e seu pai fica furioso. Mais com bastante frequência, a culpa vai para a mãe, que era "muito suave" ou "muito dura", e "perverteu" o filho de alguma forma. Em seguida, o pai vira sua raiva em relação ao filho: "Você não vê que está envergonhando toda sua família? Você não se importa o que isso pode fazer com sua carreira? Você nunca será nada se não desistir dessa loucura!"

No texto bíblico, os argumentos são os mesmos. E, ainda mais significativo, é a referência que Saul faz sobre Jonatas envergonhar a nudez da mãe, o que traz uma conotação sexual. Descobrir a nudez de um membro da família era um eufemismo para o incesto nos códigos de santidade do Velho Testamento, e Saul não teria usado esta frase de ânimo leve. (Ver nota 1). A implicação é que Jonatas está trazendo vergonha sexual para sua família.

Jonatas corre imediatamente da mesa. E, naquela noite, vai dizer a Davi a triste notícia. A narrativa de seu encontro final é cheia de tragédia e amor, Anexo C.

"Davi levantou-se do lado da pilha de pedras, se prostrou com o rosto no chão. Curvou-se três vezes e eles se beijaram e choraram um com o outro; Davi chorou ainda mais. Jonatas disse a Davi: Vai-te em paz, o que nós temos jurados ambos em nome do Senhor, dizendo: O Senhor seja entre mim e ti, e entre os meus descendentes e os seus descendentes, para sempre". (1 Samuel 20:41-42).

Esta seria a última vez que um veria o outro. Davi foi se esconder e Jonatas foi eventualmente morto em uma batalha, ao lado de seu pai. Talvez eles tivessem ideia que era o fim. Eles certamente sabiam que seu amor estava condenado. E Jonatas lembrou a Davi de sua aliança. Ele lembrou-lhe que, mesmo que não pudessem estar juntos, tinham feito uma promessa e sua ligação iria durar por todas as gerações. Todos os seus filhos e netos seriam como uma família, obrigados por seu amor um pelo outro. Mais tarde, depois de assumir o trono, Davi lembra-se deste pacto e adota o único filho de Jonatas como seu próprio, algo completamente inédito em um momento em que se esperava que o rei matasse qualquer pessoa com conexão com o rei anterior. (Ver nota 2).

Então, foi essa história uma amizade meramente profunda ou um relacionamento romântico? No Anexo A, após seu primeiro encontro, Jonatas diz ter amado Davi como sua própria alma e lhe entrega todos os seus bens mais preciosos. No Anexo B, o pai de Jonatas usa a linguagem de sexo e vergonha quando fala da relação entre Jonatas e Davi em um acesso de raiva. No Anexo C, vemos Jonatas apaixonado, com um adeus choroso, lembrando a Davi de sua aliança eterna que fizeram um com o outro. Aliança essa, que Davi homenageia mais tarde, apesar de ser politicamente incorreto. Mas se você ainda não está convencido de que isso era um relacionamento romântico, nem tampouco mais uma evidência bíblica, ou uma arma fulminante, por assim dizer. A história tem um capítulo mais apaixonado.

No primeiro capítulo de 2 Samuel, o autor nos diz que, depois da morte de Saul e Jonatas em uma batalha, Davi rasga as suas roupas e jejua, em sinal de luto profundo. Ele chora e escreve uma canção, e ordena que todos os homens de Judá cantem. Nessa música, ele inclui as seguintes palavras: Anexo D:

"Saul e Jonatas, tão queridos e amados! Na vida e na morte não se separaram; eram mais ligeiros do que as águias, mais fortes do que os leões. Como caíram os valorosos no meio da batalha! Jonatas jaz sobre os seus altos. Angustiado estou por você, meu irmão Jonatas; muito amado foste vós para mim; seu amor foi para mim maravilhoso, mais do que o amor das mulheres!" (2 Samuel 1:23, 26-27).

Aqui está o preto no branco. Davi afirma que o amor que dividia com Jonatas era maior do que o que ele tinha experimentado com as mulheres. Você já ouviu falar sobre um homem heterossexual dizer que amava seu amigo do sexo masculino mais do que sua esposa? Isso vai além de uma amizade profunda entre homens heterossexuais.

Nesta história, temos uma resposta bíblica direta a nossa pergunta: Pode duas pessoas do mesmo sexo viverem um relacionamento amoroso comprometido, com o favor de Deus? A resposta é "sim", pois Jonatas e Davi o fizeram, e a Bíblia celebra seu relacionamento.

O autor não sente necessidade de explicar o amor entre esses dois homens, colocando uma nota dizendo: "isto pode parecer uma história de amor, mas nada aconteceu". Quando o Rei Saul assume que a relação é muito mais do que uma amizade, o autor relata seu comentário, e permite que o leitor entenda. O autor também teria conhecimento de histórias similares no oriente próximo que continha aspectos homoeróticos. (Ver nota 3). Ele tinha conhecimento que sua história seria interpretada por leitores ao longo do tempo, com outras mentalidades, no entanto, não se preocupou em diferenciar o relacionamento de Jonatas e Davi.

Sob inspiração do Espírito Santo, o autor de 1 e 2 Samuel escreveu está linda história de amor e não viu conflito entre ela e as Escrituras anteriores, como Levítico. Como isso é possível? Aparentemente o autor de 1 e 2 Samuel compreendeu a passagem de Levítico da mesma forma que fazemos, vendo-a como uma condenação do sexo cananeu no templo que, portanto, não impedia um relacionamento romântico profundo entre dois homens que amaram e serviram ao Deus de Israel. Se alguém tivesse desafiado o autor de 1 e 2 Samuel, ele poderia muito bem ter respondido: "Este não é o Livro de Levítico para condenar. Você tem que entender o contexto que Levítico foi escrito. Esta é uma situação muito diferente".

Por que não podemos usar o mesmo bom senso hoje em dia? Por que alguns cristãos estão determinados a condenar o que Deus aprovou nas Escrituras?

Lembre-se, Davi não é um herói menor na Bíblia. Ele é chamado de "o homem segundo o coração de Deus" (1 Samuel 13:14). Ele é dos mais queridos reis de Israel. Ele é um dos mais prolíficos escritores da Escritura (escrevendo muitos salmos). Ele está na linhagem de Jesus Cristo. E amava a Jonatas (Ver nota 4).


Nota 1: Levítico 18:6-18 começa: "Você não deve aproximar-se de qualquer parente para descobrir a nudez" e continua a listar todas as possíveis relações incestuosas (exceto os de pai e filha), afirmando diante de cada um: "Você não descobrirá a nudez de...".

Nota 2: A história em que Davi adota o filho de Jonatas, Mefibosete se encontra em 2 Samuel 9. Para exemplo de como alguns outros monarcas lidaram como os potenciais herdeiros dos tronos, veja 2 Reis 10:1-11, 11:1-3 e 13-16.

Nota 3: Nas páginas 20-24 de Homo erotismo no mundo bíblico, Martti Nissinem faz um bom trabalho discutindo a Epopeia de Gilgamesh, que ele diz ser "às vezes considerado a mais importante e antiga representação do Oriente Médio sobre homo erotismo". (Página 20). Nesta história, Gilgamesh é descrito como um meio-deus metade homem, cuja energia e aventuras para o sexo são infinitas. Ele assola jovens homens e mulheres de Uruk, tão incontrolável que o povo de Uruk chama a deusa criadora para criar-lhe um parceiro adequado, para que ele os deixe em paz. A deusa criadora faz um homem ruivo chamado Enkidu, e as aventuras de Gilgamesh e Enkidu compõe o resto do conto. David F. Greenberg também discute a Epopeia de Gilgamesh, juntamente com outros exemplos de relações amorosas entre guerreiros homossexuais do Oriente Médio nas páginas 110-116 do livro "The Construction of Homosexuality", ele afirma: "Paralelos entre a relação de Gilgamesh-Enkidu muitas vezes é vista na história de Davi e Jonatas, e na devoção de Aquiles e Patrocles um pelo outro na Ilíade. Para uma discussão mais aprofundada do épico de Gilgamesh e de como ela poderia ter sido usada pelos escritores bíblicos, veja também Reading the Old Testament (Wadsworth Publishing Company, Belmont, CA, 1999) de Barry L. Bandstra, páginas 76-77.

Nota 4. A Bíblia nos diz que Davi e Jonatas eram casados. (1 Samuel 25:39-42; 2 Samuel 3:14; 4:4; 9:3-7; 11:27). Mas isso não é incompatível com um relacionamento romântico entre eles. Ainda hoje, muitas pessoas homossexuais se casam e tem filhos para se conformar às pressões sociais. Como um príncipe, Jonatas não tinha a escolha de não se casar, pois precisava de um filho para se tornar herdeiro. Davi teria enfrentado pressões semelhantes. Outras histórias bíblicas indicam que Davi foi capaz de sentir desejos por mulheres (2 Samuel 11:2-26). Ele parece ter sido o que hoje chamaríamos de bissexual, alguém que é capaz de formar um relacionamento romântico e profundo com pessoas de ambos os sexos. Por outro lado, com base do que encontramos nas Escrituras, ele parece ter tido um interesse romântico apenas por Jonatas. E, também parece ter sido o que hoje chamaríamos de Gay.

Fonte: wouldjesusdiscriminate.org

terça-feira, 20 de setembro de 2016

TEOLOGIA TRANS DE JESUS CRISTO (PARTE 2)

 
Jesus sobre os três tipos de eunucos
A passagem chave que muitas pessoas trans usam para compreender sua relação com as escrituras é Mateus 19:11-12:
"Mas ele [Jesus] disse-lhes [aos discípulos]: Nem todos podem receber esta palavra, mas apenas aqueles a quem é dado. Porque há eunucos que são assim desde seu nascimento, e há aqueles que foram castrados pelos homens; e há os que se fizeram eunucos por amor do reino dos céus. Aquele que tem ouvido para ouvir, ouça".
Os que já nasceram trans, não têm a opção de ser cisgênero, apenas a opção entre ser abertamente trans, tentando fazer o melhor para ser feliz, ou repreender sua transexualidade, tentando fingir ser cis. Sim, o próprio Jesus afirmou tal questão: "há eunucos que são assim desde seu nascimento..." Sendo esse o caso, a transição é apenas um processo de tornar manifesto o que já faz parte da pessoa desde seu nascimento. Mas, ainda mais tentador é Jesus afirmar que algumas pessoas se fazem eunucos por causa do reino dos céus. Neste caso, a transição pode ser uma resposta apropriada para sua própria participação no reino dos céus, ou para suas tentativas de ser um/uma membro apropriado/apropriada do reino dos céus. Tornando-se um/uma eunuco, não é apenas não-vergonhoso e permitido, mas pode ser uma coisa positiva realizada pela razão certa de ser ativamente agradável a Deus. Pelo menos é o que Jesus diz.

Porém, essa passagem tem rodado de diferentes maneiras por diferentes pessoas. O contexto imediato anterior é uma pergunta dos fariseus sobre casamento e divórcio e dos discípulos perguntando se devem evitar o completamente o casamento. Assim, muitos (especialmente católicos), interpretam isso como uma discussão sobre o celibato dos padres, e, o processo de se tornar "eunuco para o reino de Deus" é muitas vezes entendido ao lado do comentário de Paulo sobre o casamento (1 Coríntios 7). Mas mesmo que este seja um dos entendimentos desta passagem, não existe nenhuma razão para não pensar que Jesus também estivesse falando sobre a natureza e o papel social dos eunucos. É muito difícil ler esta passagem sem pensar nas ideias bíblicas mais amplas do comportamento LGBT. Aqui, Jesus está falando especificamente aos discípulos (não aos fariseus), que tinham se tornado alvos certos da malha do povo, pois viajavam, todos solteiros e, certamente levantavam suspeitas em seu tempo. Nenhum dos discípulos parece ter tido filhos, e, só Pedro é registrado como tendo sido casado (e mesmo esse parece que já estava viúvo quando encontrou com Jesus, e nunca se casou novamente). Mas, mesmo sendo esse um dos tons desta passagem, ela parece mais, ser sobre eunucos reais, em vez de apenas pessoas que possam ser confundidas com eunucos. Não há evidências de nenhum dos discípulos ter sido identificado publicamente como eunuco durante sua vida, apesar de existir registros dos pais da igreja os chamando de eunucos mais tarde. Certamente alguns cristãos também confundiram Jesus com um eunuco. Note também, que o resto de Mateus 19 é sobre a boa vida cristã e sobre um jovem que está sendo tentado a juntar-se ao bando de Jesus, mas decide não fazer para voltar a sua vida normal e familiar. Podemos interpretar está a luz do que vem imediatamente após, tanto a luz do que vem imediatamente antes.
Jesus e o Transportador de Cântaro
Outro conjunto de passagens que revela atitudes de Jesus para com as pessoas trans ou não conformes com seu gênero, é a história do transportador de água, imediatamente antes da Última Ceia, em Mateus 26:17-19; Marcos 14:12-16 e Lucas 22:7-13. Detalharei mais essa história em outra publicação. Para entender a história você precisa muito do fundo cultural. É o dia dos pães ázimo, o dia chave da Páscoa. Esse é o maior feriado judaico do ano, uma época em que todos e todas na Judéia devem visitar Jerusalém, e cada família deve consagrar um cordeiro em sacrifício no Templo, e depois comê-los juntos à noite, em um grande jantar familiar. Neste período, a cidade ficava repleta de pessoas, e todos que podiam, e se preocupavam com a tradição, se reuniam com os familiares. Mas os discípulos não estão com suas famílias, eles estão com Jesus. Eles perguntam ao mestre se estão indo celebrar a Páscoa juntos, e em caso afirmativo, onde e como? (Nesse momento, eles já estão no final de sua jornada). Jesus manda-os ao encontro de "um homem carregando um cântaro de água (Mateus é mais ambíguo). Como eles encontrariam um homem levando um cântaro de água em uma Jerusalém cheia? Não é lá que estão milhares de homens preparando uma festa com seus familiares? Bem, na verdade, não. Na cultura judaica da época, apenas mulheres carregavam cântaros de água. Os homens às vezes carregavam cantinas ou odres, especialmente quando viajavam, mas os grandes jarros de água utilizados para o fornecimento de uma casa com água de poço, era um trabalho extremamente feminino. Qualquer homem que levasse em público cântaros de água, ou era: a) um homem fazendo seu melhor para viver como mulher na sociedade; b) ou não havia nenhuma mulher naquela casa e o homem não se importava de fazer o papel feminino em público. Mas Mateus, usa uma estranha construção para tentar evitar dizer o gênero dessa pessoa (chamando de "um certo alguém", DEINA. Essa é a única vez que essa frase é usada no Novo Testamento), o que, nos faz inclinar-nos para primeira interpretação. 

De qualquer modo, a transportadora (prefiro chamá-la assim) de cântaro leva os discípulos a uma casa onde vive com um "mestre de família", que os acolhe e proporciona-lhes uma sala superior para preparação da Páscoa. Tudo bem, isso foi muito rápido, mas nos aprofundemos. Por que esta casa não está cheia com seus familiares? Talvez nem a Transportadora de cântaro, nem o mestre da casa tenham familiares vivos (exceto, talvez, um ou outro). Ou talvez suas famílias sejam afastadas deles. De qualquer forma, eles não tinham ido jantar com seus familiares, e nem suas famílias vieram ter com eles para a Páscoa. Além disso, Jesus parece saber perfeitamente que o dono da casa irá acolhê-lo, junto com seus 12 discípulos, para uma enorme refeição, mesmo no último minuto. Além disso, Jesus espera que o dono da casa tenha espaço para eles. Jesus sabe que o dono da casa e a Transportadora de cântaro não terão familiares presentes. É provável, que eles tenham sido rejeitados por suas famílias, e por isso, tenham espaço suficiente para Jesus e seus discípulos. Além disso, por que Jesus não os levou para casa de Maria, sua mãe (e de seus irmãos, ou meio irmãos, dependendo de sua interpretação), em vez da casa daquele desconhecido? Jesus escolhe simbolicamente a casa da Transportadora de cântaro e do mestre da casa para dizer que essa é sua verdadeira família, e não Maria e seus irmãos. E, este é o tema que percorre todo o Novo Testamento (incluindo Mateus 19).

Mais uma vez, permita que isso flua em sua mente. Jesus conhece uma pessoa que parece ser homem para alguns escritores, mas, que atua publicamente como mulher, e, conta com essa pessoa para tratá-los como se fossem seus familiares próximos, juntamente com seus discípulos. A Transportadora de cântaro e o mestre de família iam preparar uma festa para dois, mas para ajudar Jesus e seus discípulos, preparam uma festa para quinze em um único dia. Imagine que no natal, você e seu parceiro não são bem-vindos na casa de seus familiares, e que, eles também não estão dispostos a vir à sua casa, talvez por causa de seu estilo de vida incomum. E, em seguida, um pouco antes da refeição, um estudante, mandado por seu mestre diz: Pode treze pessoas almoçar em sua casa, para celebrar o feriado nesta noite? Falando com uma dona de casa trans, acho absolutamente anormal. Mas eles respondem sim, e abrem sua casa com um feito épico de hospitalidade. E em vez de uma refeição para dois em uma casa vazia, agora são parte de uma grande refeição de uma "família escolhida". E, de fato, está refeição torna-se tão famosa que milênios mais tarde, ela é lembrada ritualmente, repetidas vezes por muitas pessoas ao redor do mundo.

Hoje, quando pensamos na atitude cristã adequada daquela pessoa trans, percebemos com toda probabilidade, que uma trans e seu parceiro, alojaram e fizeram parte da última ceia, juntamente com Jesus e seus discípulos. E Jesus não reclamou nem um pouco disso. A maioria das pinturas da Última Ceia, não incluem a Transportadora de cântaro e seu companheiro, mas provavelmente ela estava lá.

Fonte: Estudos do Rev. Cindi Knox (homem trans).